Uma das maiores vitrines da produção audiovisual brasileira, o CINE PE – Festival do Audiovisual chega a sua 26ª edição com programação plural e diversidade de linguagens e narrativas. De 9 a 14 de dezembro, o tradicional Cinema São Luiz será, novamente, o palco para a exibição de produções de todo o país. Dos 731 inscritos para as mostras competitivas – número que supera as inscrições de 2021, que recebeu 678 candidatos – seis títulos, entre ficção e documentários, foram selecionados para a Mostra Competitiva de Longas-Metragens, além dos seis filmes que integram a Mostra Competitiva de Curtas-Metragens Pernambucanos e 12 da Mostra Competitiva de Curtas-Metragens Nacionais.

Os seis longas nacionais selecionados para a mostra competitiva foram “Vermelho Monet”, de Halder Gomes (SP); “Aldeia Natal”, de Guto Pasko (PR); “Gerais da Pedra”, de Paulo Junior, Gabriel Oliveira e Diego Zanotti (MG); “Casa Izabel”, de Gil Baroni (PR); “Um Outro Francisco”, de Margarita Hernández (CE); e “Rama Pankararu”, de Pedro Sodré (RJ) (veja abaixo a lista completa com mais detalhes).

Fora da competição, a Mostra Hors-Concours exibe, na noite de abertura do CINE PE 2022, o documentário em curta-metragem “A Vida Secreta de Delly“, de Marlom Meirelles (PE). Produto final de uma oficina do CINE PE, o curta conta a história de Edelfan Batista, que enfrentou o preconceito e o abandono antes de se tornar a voz dos catadores de Nova Vila Claudete, no Cabo de Santo Agostinho. Na mesma noite, o festival presta homenagem a Sérgio Rezende, diretor de filmes como “Zuzu Angel” e “Salve Geral”, com a exibição do documentário “Leila Para Sempre Diniz”, rodado pelo cineasta em 1975. Por fim, dentro da Mostra Competitiva de Longas-Metragens, o primeiro dia do evento traz a exibição de “Vermelho Monet”, de Halder Gomes.

Realizado por Sandra Bertini, diretora da produtora BPE, o 26º CINE PE tem na curadoria dos filmes dois profissionais ligados ao audiovisual: a crítica de cinema, jornalista, criadora e editora-chefe do site Nervos Nayara Renaud e o crítico e programador do circuito Cine Materna Edu Fernandes.

“Algo interessante na curadoria é como ela se revela naturalmente ao longo do nosso processo de trabalho. Neste ano, isso aconteceu de novo com os curtas-metragens, quando percebemos que, organicamente, tínhamos em mãos uma seleção de longas que se voltava para o interior do Brasil, sem perder de vista questões urgentes em todo o país e no mundo, por exemplo. Mesmo a exceção é um título de um cineasta que cresceu no sertão filmando pela primeira vez em cenários internacionais. Por isso, acredito que essa 26ª edição do CINE PE não apenas reforça a vocação do festival de trazer a diversidade regional da produção cinematográfica brasileira, como também vem de encontro a um momento em que a opinião pública sente a necessidade de olhar e debater esses vários Brasis que vemos na tela”, destaca Nayara Renaud.

Júri Oficial de cada categoria das mostras competitivas será constituído por cineastas, críticos, pesquisadores e artistas com comprovada experiência, responsáveis por indicar os vencedores do Troféu Calunga. As categorias de longa-metragem incluem Melhor Filme de Longa-Metragem, Melhor Direção, Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Ator Coadjuvante, Melhor Atriz Coadjuvante, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia, Melhor Direção de Arte, Melhor Trilha Sonora, Melhor Som e Melhor Montagem, enquanto as categorias de curta-metragem premiam Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia, Melhor Direção de Arte, Melhor Trilha Sonora, Melhor Som e Melhor Montagem.

Além das categorias premiadas pelo Júri Oficial, cabe ao público selecionar os vencedores do Júri Popular. Ao final de cada noite de exibição, os espectadores poderão entrar no site oficial do festival, o festivalcinepe.com.br, para votar nos seus favoritos. A plataforma servirá como um agregador de informações para a imprensa sobre o evento e contará com a ficha técnica de todos os filmes.

Nesta 26ª edição o CINE PE homenageia o diretor Sérgio Rezende, por sua competência e importância para o audiovisual, e Bárbara Paz, por seu olhar sensível como atriz, diretora e produtora brasileira.

Os alunos das escolas públicas municipais e estaduais tiveram acesso, mais uma vez, a duas sessões especiais dentro da programação do CINE PE. A Mostra Infantil, fora de competição, aconteceu em outubro deste ano e exibiu os filmes “Detetives do Prédio Azul 3 – Uma Aventura no Fim do Mundo”, de Mauro Lima, e “10 Horas Para O Natal”, de Cris D’Amato, no Teatro do Parque.

Todas as sessões e a cerimônia de encerramento terão lugar no Cinema São Luiz, um dos últimos grandes cinemas de rua do país, com capacidade para mil pessoas. Construído em 1952, no bairro da Boa Vista, às margens do Rio Capibaribe, o cinema foi tombado como patrimônio histórico e revitalizado em 2008. A entrada das sessões será gratuita e os ingressos para cada dia deverão ser retirados na bilheteria.

O QG do festival será no hotel Beach Class Convention, em Boa Viagem, onde acontecerão as coletivas de imprensa e os seminários do evento. O hotel também receberá os convidados e a imprensa especializada de todo o Brasil. Os debates sobre os filmes ocorrerão sempre na manhã seguinte à exibição.

A edição de número 26 do CINE PE traz ainda uma grande novidade, com o propósito de ampliar os horizontes do festival: o CINE PE Seminários.

CINE PE SEMINÁRIOS

Como nos anos anteriores, o CINE PE 2022 dará continuidade ao seu trabalho de qualificação profissional, promovendo seminários que visam dar força à cadeia produtiva do audiovisual brasileiro. Os encontros acontecerão em dois dias. Na segunda-feira, 12 de dezembro, acontece a oficina “Expectativas e Cenários: Economia, Política e Desenvolvimento”, enquanto na terça, 13 de dezembro, o tema é “Reconstrução Orgânica e Recuperação de Imagem Setorial: Retomada de uma Política Cultural Forte e Sustentável”. Ambos os seminários serão divididos em dois horários, das 9h às 12h e das 14h às 17hOs encontros acontecem no Salão Bezerros do hotel Beach Class Convention, em Boa Viagem. A entrada é gratuita.

Para a direção do festival, nesse momento de crise econômica e de forte desincentivo à produção cultural, é importante que fazedores de cultura se unam para defender e fomentar a cadeia produtiva.

“Nossa campanha este ano é ‘Alimentando a Cultura de Pernambuco’. O CINE PE é um festival que está há 26 anos enraizado no calendário cultural do nosso estado. Tenho muito orgulho de, mesmo durante um período tão difícil, com a pandemia e tantas outras adversidades, termos conseguido realizar nossa celebração ao cinema nacional todos os anos. Apesar de tudo o que enfrentamos coletivamente, nos mantivemos firmes e fortes e estamos prestes a lançar mais uma edição que é fruto de um esforço não só meu, mas de toda a equipe que abraça e reconhece o CINE PE como uma vitrine do audiovisual brasileiro”, explica Sandra Bertini.

Troféu Calunga – O Troféu Calunga é oferecido aos vencedores das mostras competitivas de curtas e longas-metragens. A Calunga é a boneca carregada pela sacerdotisa dos cultos afro-brasileiros durante a apresentação do maracatu. Ela faz parte das cerimônias religiosas, onde recebe o nome de uma princesa e representa uma divindade, expressando um objeto de força e proteção. O Troféu Calunga é uma criação da artista plástica Juliana Notari. Os homenageados do CINE PE são contemplados com a Calunga de Ouro, e os filmes vencedores, com a Calunga de Prata.

Premiações – De acordo com o regulamento do CINE PE, são 12 categorias de prêmios para a Mostra Competitiva de Longas-Metragens: Melhor filme, direção, roteiro, fotografia, montagem, edição de som, trilha sonora, direção de arte, ator coadjuvante, atriz coadjuvante, atriz e ator. Os filmes das Mostras Competitivas de Curtas-Metragens Nacionais e Pernambucanos são julgados em dez categorias: Melhor filme, direção, roteiro, fotografia, montagem, edição de som, trilha sonora, direção de arte, ator e atriz.

Além da premiação oficial, o Canal Brasil oferece o Prêmio Canal Brasil de Curtas, no qual um júri composto por jornalistas e críticos de cinema escolhe o melhor filme de curta-metragem em competição. Além de ser exibido na grade de programação, o vencedor recebe o Troféu Canal Brasil e um prêmio de R$ 15 mil.

Ingressos – Por mais um ano, a entrada de todas as sessões será gratuita. Em comum acordo com o Governo do Estado, gestor do Cinema São Luiz, a realizadora Sandra Bertini optou mais uma vez pela gratuidade, por exprimir “uma sintonia com o momento de adversidade vivenciado por todos”. Durante o festival, a bilheteria do cinema estará aberta diariamente para retirada dos ingressos. A distribuição das entradas estará sujeita à lotação da sala.