A 23ª edição do Cine PE chegou ao fim na noite deste domingo (4), no Cinema São Luiz, e consagrou o documentário “Espero Tua (Re)Volta” como o Melhor Longa-Metragem escolhido pelo Júri Oficial do evento. O filme, de Eliza Capai, reflete, a partir do olhar de três jovens ex-secundaristas, a recente história brasileira por meio das lutas estudantis.

O documentário “Cor de Pele”, de Lívia Perini, ganhou o prêmio de Melhor Curta Nacional, enquanto que na Mostra Competitiva de Curtas Pernambucanos o vencedor foi o filme de ficção fantástica “Coleção”, que ainda abocanhou as Calungas de Prata de Melhor Direção para André Pinto e Henrique Spencer, Melhor Roteiro, Melhor Ator e Melhor Atriz.

O Júri Oficial do Cine PE foi formado pela produtora cinematográfica e cultural Mônica Silveira; a produtora, diretora de fotografia e cineasta Maria Pessôa; o diretor de animação Alisson Ricardo; o roteirista Nelson Caldas Filho; o ator, diretor, produtor cultural e professor Sérgio Fidalgo; Silvia Levy, sócia da nova produtora Alef Films; a jornalista e cineasta Vânia Lima; e o professor-associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro Rafael dos Santos.

O longa-metragem “Teoria do Ímpeto”, de Marcelo R. Faria e Rafael Moura, também foi um dos grandes destaques desta edição, levando para casa quatro Calungas de Prata, incluindo as de Melhor Direção, Melhor Fotografia, Melhor Ator Coadjuvante e Melhor Ator.

Neste ano, o jurados dos longa-metragens resolveram resgatar a categoria Prêmio Especial do Júri para reverenciar o documentário “Vidas Descartáveis”, de Alexandre Valenti e Alberto Graça. O prêmio foi concedido “pela relevância e urgência do tema abordado, pelo olhar sensível e a contribuição ao combate do trabalho escravo moderno no Brasil”. Por apresentarem um trabalho artístico relevante para o filmo, o júri também concedeu menção honrosa para as atrizes Izabel Santos e Rita Maia, do filme “Abraço”.

JÚRI POPULAR – Pelo segundo ano consecutivo, o público pôde eleger seus filmes favoritos nas três mostras competitivas do festival por meio de um aplicativo para smartphone. O melhor curta pernambucano foi “Mulheres de Fogo”, de Vinícius Meireles, enquanto o divertido “Tommy Brilho”, de Sávio Fernandes, foi eleito o melhor curta nacional. O melhor longa-metragem, para o Júri Popular, foi “Abraço”, do diretor Deivisson Fiuza.

PRÊMIO DA CRÍTICA – Composto por Amanda Aouad, crítica de cinema e editora do site CinePipocaCult; Roberto Cunha, apresentador do Drops de Cinema nas rádios Cidade e StereoZero; e Robledo Milani, sócio-fundador Abraccine, a crítica especializada concedeu a Calunga de Melhor Longa para “Espero Tua (Re)Volta”. O prêmio de Melhor Curta Nacional foi para “A Pedra”, de Iuli Gerbase.

PRÊMIO CANAL BRASIL DE CURTAS – Com júri formado por Ismaelino Pinto, do jornal O Liberal (PA); Clarissa Kuschnir,  Revista Preview (SP); Barbara Demerov, do site AdoroCinema (SP); Vitor Búrigo, do CineVitor (SC); e Robledo Milani, do Papo de Cinema (RS), o Prêmio Canal Brasil elegeu como melhor curta a animação “Apneia”, de Carol Sakura e Walkir Fernandes. Com o objetivo de estimular a nova geração de cineastas, o Canal Brasil oferece um troféu e R$ 15 mil para o melhor filme de curta-metragem, que também é exibido em sua grade de programação. 

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI – A categoria foi resgatada pela comissão julgadora para reverenciar o longa-metragem “Vidas Descartáveis”, de Alexandre Valenti e Alberto Graça.  

PRÊMIO CIA RIO – A CiaRio vai premiar as três produções escolhidas pelo Júri Oficial nas três mostras competitivas. Os filmes eleitos ganharão locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da empresa NAYMAR.    

CONCURSO DE ARGUMENTO – Neste ano, a Escola de Roteirista Empreendedor (RWR) e o CTAV-SAV premiará um argumento no formato de curta-metragem com uma bolsa no valor de 50% no curso de Roteirista Empreendedor da Escola Recife Writers Room (RWR). O projeto selecionado foi “#Relacionamentos”, de Felipe Augusto Hidalgo Barros.

Confira lista completa de premiados: 

PRÊMIO CANAL BRASIL 

Melhor Curta – “Apneia” (PR) 

PRÊMIO DA CRÍTICA – ABRACCINE 

Melhor Curta Nacional – “A Pedra” (RS) 

Melhor Longa-Metragem – “Espero Tua (Re)Volta” (SP) 

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS PERNAMBUCANOS 

Melhor Filme – “Coleção” 

Júri Popular – “Mulheres de Fogo”  

Melhor Direção – André Pinto e Henrique Spencer (“Coleção”) 

Melhor Roteiro – André Pinto (“Coleção”) 

Melhor Fotografia – André de Pina (“Quando A Chuva Vem”) 

Melhor Montagem- Paulo Leonardo (“Quando a Chuva Vem”) 

Melhor Edição de Som – Alisson Santos (“Quando A Chuva Vem”) 

Melhor Direção de Arte – Jefferson Batista (“Quando A Chuva Vem”) 

Melhor Trilha Sonora – Miguel Guerra (“S/N (Sem Número)”) 

Melhor Ator – Jorge de Paula (“Coleção”) 

Melhor Atriz – Hermínia Mendes (“Coleção”) 

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS 

Melhor Filme – “Cor de Pele” 

Júri Popular – “Tommy Brilho” (CE) 

Melhor Direção – Carlos Nigro (“Casa Cheia”) 

Melhor Roteiro – Faustón da Silva (“A Margem Do Universo”) 

Melhor Fotografia – Gustavo Serrate (“A Margem Do Universo”) 

Melhor Montagem – Yan Motta (“Cor de Pele”) 

Melhor Edição de Som – Jack Moraes (“#Procuram-se Mulheres”) 

Melhor Direção de Arte – Helga Queiroz (“Casa Cheia”) 

Melhor Trilha Sonora – Bruno Vieira Brixel (“Vivi Lobo e o Quarto Mágico”) 

Melhor Ator –  Felipe Kannenberg (“A Pedra”) 

Melhor Atriz – Petra Sunjo (“A Margem Do Universo”) 

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS 

Melhor Filme – “Espero Tua (re)volta” (SP) 

Júri Popular – “Abraço” (BA) 

Prêmio especial do Júri – “Vidas Descartáveis” (RJ) 

Menção honrosa – atrizes Izabel Santos e Rita Maia, do filme “Abraço” (BA) 

Melhor Direção – Marcelo R. Faria e Rafael Moura (“Teoria do Ímpeto”) 

Melhor Roteiro – Eliza Capai (“Espero Tua (re)volta”) 

Melhor Fotografia – André Carvalheira – Xará (“Teoria Do Ímpeto”) 

Melhor Montagem – Eliza Capai e Yuri Amaral (“Espero Tua (re)volta”) 

Melhor Edição de Som – Simone Petrillo e Cristiano Scherer (“O Corpo é Nosso”) 

Melhor Direção de Arte – Patrícia Nunes (“Um e Oitenta e Seis Avos”) 

Melhor Trilha Sonora – André Abujamira e Eron Guarnieri (“Abraço”) 

Melhor Ator – Adriano Barroso (“Teoria Do Ímpeto”) 

Melhor Atriz – Giuliana Maria (“Abraço”) 

Melhor Ator Coadjuvante – Pablo Magalhães (“Teoria do Ímpeto”) 

Melhor Atriz Coadjuvante – Débora Duarte (“Um e Oitenta e Seis Avos”)