Poucos estudantes da Universidade Federal de Pernambuco ou do Centro Tecnológico, ou ainda moradores de Recife (Zona Norte) e Olinda não viajaram ou ouviram falar na linha de ônibus Rio Doce-CDU. A diversidade de paisagens urbanas e a riqueza de tipos humanos que fazem esse itinerário (de uma hora e meia!) é o viés do documentário pernambucano Rio Doce-CDU, de Adelina Pontual (Véio; O Pedido; Cachaça).

O longa-metragem, produzido em 2011, será lançado nesta segunda-feira (29), às 21h15, na mostra competitiva do Cine PE, no Teatro Guararapes, em Olinda. O acesso custa R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Nas bilheterias do Teatro Guararapes, no Centro de Convenções de Pernambuco.

Adelina Pontual, que também atua como roteirista e continuísta, tem outro filme na programação do festival (na Mostra Pernambuco): o curta Retrato, que será exibido depois de amanhã (27), às 15h, também no Teatro Guararapes.

A pernambucana já atuou como continuísta em 20 longas nacionais, entre eles Central do Brasil e Abril Despedaçado, de Walter Salles, Carandiru, de Héctor Babenco, O Palhaço, de Selton Mello, A Festa da Menina Morta, de Matheus Nachtergale e mais recentemente no longa Tatuagem, de Hilton Lacerda.

Ficha técnica:

RIO DOCE-CDU (PE) – DOCUMENTÁRIO – 72’

Sinopse: Uma viagem pelos subúrbios de Olinda e Recife seguindo o itinerário da linha de ônibus Rio Doce/ CDU. Cortando antigos bairros, revelando uma diversidade de paisagens urbanas e de tipos humanos que habitam aqueles logradouros, ali trabalham, ou apenas se deslocam no vai e vem das ruas, o ônibus segue seu percurso.
Direção: Adelina Pontual
Roteiro: Adelina Pontual
Produção: Chica Mendonça e Adelina Pontual
Fotografia: Beto Martins
Montagem: João Maria
Trilha Sonora: Dj Dolores e Yuri Queiroga
Edição de Som: Catarina Apolônio